April 1, 2015 - Fly to Lukla and Trek to Phakding

linkedin share button
Sherpa-home-near-by-Phakding
April 1, 2015 - Fly to Lukla and Trek to Phakding

Pessoal, nosso primeiro post vai um pouco atrasado pois ficamos sem internet no primeiro dia do trekking, mas nao poderia deixar de descerever a viagem de Kathmnandu pra Lukla, um dos pontos altos da viagem tao antecipado. Foi melhor que a expectativa. Na vespera a ansiedade estava no auge e dormimos mal. Nossa sorte com o tempo foi grande, pois estava nublado nos ultimos dias e abriu justo na quarta. Isso causou um atraso, pois a area domestica do aeroporto que ja seria confusa num dia comum, estava um completo caos nesse dia. Pemba, pra nao atrasar muito, mudou de companhia aerea no ultimo minuto. Fomos de Simrik. Como o Almir falou, tudo tem um proposito e percebi depois que essa mudanca foi necessaria pra tornar a viagem exttamente como eu tinha sonhado. Qd finalmente pegamos o onibus, notei que os avioes da cia anterior eram todos novos. Fiquei procurando o nosso com uma ansiedade crescente. Vcs precisavam ver as caras dos turistas, cerca de oito, qd chegamos no nosso aviao. As pessoas se entreolhavam com um sorriso meio tenso. Por fora a coisa tava complicada e, qd entramos, percebemos que por dentro nao era muito melhor. Vc podia escolher janela ou janela, pois so haviam 2 fileiras de 5 cadeiras. Sentei e olhei pra tras procurando o Vilas que ficou duas posicoes atras. Ele estava com aquele olhar meio perdido, com um sorriso meio sem expressao que eu ja tinha presenciado qd estavamos atravesssando o Drake. Ele jura que estava tranquilo: "brother, depois que eu vi que o piloto era experiente, eu fiquei na boa". Mais ou menos isso foi o que ele falou depois que chegamos, e claro. Acredite quem quiser. No primeiro momento, eu me imaginei num simulador do Indiana Jones na Disney. Mas logo que o piloto deu um by-pass no Boing que estava na nossa frente e acelerou tudo da metade da pista mesmo, percebi que era real. Subiu um frio pela espinha que desceu pro intestino e o resultado so nao foi pior pq eu estava totalmente selado la embaixo. Pra resumir, ja que vcs sabem que chegamos vivos, o momento do touch down, logo depois de vermos a pista crescendo na janela do piloto (so dava pra ver pq o aviao estava totalmente embicado pra baixo), foi emocionante. Foi uma explosao de alegria de todos a bordo, talvez maior que a de um estadio inteiro de futebol americano qd o time da casa tambem faz um touch down. Ou quase, pra nao dizer que estou exagerando. E foi isso, inicio e fim, pois o meio ficou em alguma area obsccura do meu cerebro. Gente, eh tudo brincadeira, foi tudo muito tranquilo! Vcs tem que vir, eh muito legal. Bjs a todos.

Depois que chegamos em Lukla, seguimos quase que imediatamente, depois de um chazinho tranquilizante, para nosso proximo destino, Phakding. Foi uma trilha bem tranquila, apropriada pra nao traunatizar logo de cara. O cenario eh deslumbrante, o que facilitou mais ainda. Assim, chegamos quase sem perceber no lodge. Era bem fraquinho, com um quarto minusculo onde eu e o Vilas tivemos que nos espremer. Mas ficava bem debaixo dum paredao rochoso, com um rio esmeralda na frente cortado por uma daquelas pontes de filme de Indiana tambem, so que de aco. A noite foi maldormida mas a vida continua e as 6 da manha do dia seguinte seguimos rumo a mais um dia de caminhada.

Roberto-&-Alexandre--and-Pemba-in-Lukla

 

Roberto-&-Alexandre--at-Lukla

 

Roberto-&-Alexandre--having-tea-in-Lukla

 

Roberto-&-Alexandre--in-Lukla